O Orador Precisa Conhecer o Valor do Silêncio

Reflita sobre estes episódios diários:
a)       Você está coordenando ou participando de  uma reunião na empresa ou na sua associação e fica incomodado com o silêncio dos participantes. Isso gera constrangimentos e as pausas soam como obstáculos.
b)       Chegar em casa e ligar a TV, o rádio ou o som é um comportamento usual. O silêncio nos incomoda e normalmente preferimos falar do que permanecer calados.
Todos já se sentiram  um dia pressionados pela densidade do silêncio. Será que ele representa uma ameaça? Há necessidade de se viver sufocado em um  oceano de frases e sons ?
Vamos imaginar duas hipóteses sobre a razão do silêncio  nos  incomodar tanto:
a)       Do ponto de vista pessoal, silenciar obriga-nos a repensar fragilidades e inseguranças, colocando-nos em contato direto com a verdadeira essência do “eu”. A reflexão pode provocar desconforto e traçar um perfil ameaçador, onde a percepção do mundo interno assusta.
b)       No trabalho, o papel de orador/líder/herói  exige a análise silenciosa e atenta do que não é dito. A leitura desse material rico pode determinar a necessidade de ajustes no comportamento do orador. Por receio das críticas, é mais fácil ignorar o que não se quer ver do que assumir responsabilidades.
O suspense do silêncio é  tão importante quanto a fala.  Ele redimensiona os pensamentos e promove a integração  das pessoas, ajudando-as a compreender melhor a realidade.
Nas organizações modernas os líderes (heróis) que utilizam com desenvoltura a comunicação oral podem conseguir extrair da equipe de trabalho um resultado positivo. A arte da liderança eficaz inclui, com certeza, o uso do silêncio inteligente. Falar e calar. Esses dois momentos representam o equilíbrio entre a razão (palavra) e a sensibilidade (canais não verbais). Aprimorar essa postura favorece o autoconhecimento (autoestima — inteligência intrapessoal) e a maturidade psicológica(empatia – inteligência interpessoal), fatores imprescindíveis para se gerenciar pessoas. Traduzir o que fica nos espaços não revelados ou sob o manto das palavras, propicia um encontro mais harmonioso entre o sentir, analisar e agir e, consequentemente, uma melhor definição quanto à escolha das ações profissionais mais sensatas, oportunas  e produtivas.
Na fala ou no Silêncio Você se Comunica
Silenciar representa uma atitude corajosa e não é sinônimo de caos ou solidão. O silêncio não deve significar ausência, ao contrário, deve ser exercitado conscientemente. No momento certo,  pode redirecionar nossas emoções e atitudes através das pistas não verbais.
O silêncio é uma dimensão em que cada ser tem a chance de perceber quem realmente é. Escutar a si mesmo e o outro. É preciso ter coragem para desarmar nossas crenças internas que impedem o crescimento pessoal e profissional verdadeiro.
No Silêncio o Homem Revela seu Valor e Imagem
Aprenda a dominar a linguagem do silêncio e viva melhor!!!!
Experimente, você  vai descobrir um mundo novo!!! 

www.oratoriaemocional.com.br 

Prof. Jorge David Telles
Diretor/Instrutor
IOE – Instituto Oratória Emocional